Documentos para averiguação do imóvel

Como já contei em outro post. Faz quase um ano já que fechamos negócio e um NADA acontece. Nada. Passaram uma máquina no terreno alguns meses depois e mais nada aconteceu, tanto que o mato cresceu de novo.

A minha paciência acabou, então resolvi ir por conta atrás de um retorno. A imobiliária e a construtora falam “em meados do próximo mês”, e vocês não tem noção quantas vezes já ouvi isso. Como não sabemos se tem algo de errado (eles alegam que é a CEF que está atrasando o processo), resolvemos garantir que todos os documentos do empreendimento estão ok.

São eles:

– Matrícula do Memorial de Incorporação Oficial de Imóveis

– Aprovação do projeto de construção pela prefeitura da cidade.

Matrícula do Memorial de Incorporação Oficial de Imóveis

Nesse documento está escrito o projeto inteiro do empreendimento. Andares, apartamentos, localização e mais tudo que vocês possam imaginar. No nosso caso, a matrícula do memorial já estava escrita no contrato de compra, então fomos até o cartório de imóveis retirar uma cópia desse documento, que é uma das provas de que o empreendimento está ok para construção.

Obviamente esse memorial é pago, mas não deve passar de R$50.

Aprovação do projeto de construção pela prefeitura da cidade

Com a matrícula em mãos, você deve procurar a prefeitura da cidade para averiguar se está tudo aprovado como diz o contrato. Antes, verifiquem por telefone onde vocês devem comparecer e os horários. Aqui o atendimento era feito apenas 2x por semana.

Update: esse post era pra ter sido publicado no final de abril, mas muita coisa aconteceu depois disso. Fomos atrás e todos os documentos estavam corretos.

Advertisements

Como saber se a imobiliária/corretor está te enrolando?

A dica seria relativamente simples, como “Seja mais esperto que eles“, “Procure saber mais sobre tudo o que eles te falam“, “Questione como alguém que entenda do assunto, mesmo que você não tenha muita noção do que está falando“, etc. Percebemos que, quando nós mostramos que sabemos o que estamos falando, a conversa é bem melhor e eles param de tentar enrolar. Continue reading

Lançamento do apartamento

Em agosto tivemos o lançamento oficial do apartamento que compramos, e queria deixar registrado o momento aqui.

O coquetel foi em um hotel e foi bom por que pudemos ver a maquete do empreendimento – e que nem achávamos que teria uma- . Deu para ver bem a distribuição dos apartamentos e esse estacionamento ao lado, que não tinha no projeto que vimos. Notícia boa!

Aproveitamos para chutar quem seriam nossos vizinhos, e temos que admitir que não sabemos o que é pior melhor: um casal jovem ou idoso.:P

Experiência: Começando a procurar imóveis prontos

Ano passado, quando começamos a procurar um apartamento, não estávamos pensando em comprar algo pronto, por vários motivos: 1) Valorização 2) Valor alto de entrada 3) Eu estava horrorizada pensando na ideia de não morar em algo novo. Mas sabemos que aqui onde moramos não irá sair muitos empreendimentos baratos e também teríamos que esperar até 2015, ou mais, para mudar.

Sendo assim, no começo do ano decidimos que iríamos começar a procurar imóveis já prontos, tanto novos como usados (ainda não gosto muito da ideia, mas..). Andei vendo uns por ai e marcamos de conhecer um que acabou de ficar pronto neste final de semana. Continue reading

Nossa primeira experiência

Ano passado, num mar de sorte, tivemos um lançamento muito barato na cidade do G (vocês provavelmente irão ver nós falarmos muito sobre barato e caro aqui. Em uma cidade do interior 200k é uma fortuna pra se comprar um imóvel, aqui onde moramos, não é nada). Não pensamos duas vezes para ir visitar o decorado, afinal, além da proposta de pagamento ser excelente, ainda era perto da casa dele.

Apartamento de 50m², dois dormitórios, opção de cozinha americana, 1 vaga na garagem + piscina, academia, playground. 3 torres. 6 andares. Pagamento facilitado.

Ficamos apaixonados pelo decorado. Pensamos várias vezes no assunto, falamos com nossos familiares e resolvemos dar entrada nos papéis. No início, o esquema de compra era muito simples e bom. A entrada girava em torno de 4 mil reais e as parcelas mensais, até a entrega das chaves, eram de 600 reais. Quando fomos entregar os papéis, começaram a nos falar das outras taxas, como a Taxa de Juros de Obra. Pelo que entendi, o valor do juros que faria o saldo devedor final ficar X+Y, ficaria apenas X, porém, o valor Y dos juros, pagaríamos juntamente com os 600 reais. A princípio, nos falaram que a taxa era baixa, então prosseguimos com a papelada. Continue reading